Pesca desportiva é cada vez menos invasiva para o ambiente

Pesca desportiva é cada vez menos invasiva para o ambiente

A pesca desportiva é cada vez menos invasiva para o meio ambiente, devido às preocupações crescentes que os atletas têm tido.

Numa entrevista ao Notícias de Aveiro, José Santana, vice-presidente (área de mar) da Associação de Pesca Desportiva de Aveiro e Beira Litoral conta que “os atletas da pesca desportiva têm preocupações ecológicas, cada vez maiores e, por isso mesmo, deixam os pesqueiros por si utilizados em melhores condições do que as encontradas, trazendo o seu lixo e também o que por lá encontram. O peixe capturado em provas é apenas retido por curto espaço de tempo  até que o fiscal faça a sua medição e logo após é devolvido ao meio ambiente, chama-se a isto pesca sem morte”.

José Santana diz ainda que as praias de Aveiro têm das melhores condições para pesca desportiva no norte do país, e que a modalidade de Surfcasting é a que atrai sempre mais concorrentes.

Refere que, na zona, os “peixes mais capturados são robalos, bailas, sargos, douradas, taínhas, cavalas, peixe-agulha, peixe-aranha, pregados e rodovalhos, também linguados e solhas, ruivos, esporadicamente aparecem savelhas, peixe rei, salmonetes, carapaus, palombetas, ferreiras, choupas, entre outras espécies”.

Artigos relacionados

Spybaits: a lentidão como aproximação é tema da revista ‘Mundo da Pesca’ de abril

Devagar… Devagar… Devagarinho… As técnicas aliadas aos spybaits têm isso em comum.

Fique a conhecer o cartaz da Cinnetic Cup 2018 – Portugal

O evento será criado brevemente na página do Facebook Cinnetic Portugal com todas as informações.

Edição de fevereiro da revista “Mundo da Pesca” já chegou às bancas

Nesta edição N.º 192 pode descobrir qual a importância das chumbadas no Surfcasting, a influência do vento na pesca desportiva, bem como quais os segredos de inverno para pesca à carpa. E muito mais.

0 Comentários

Ainda sem comentários!

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário